Agende sua consulta: TELEFONES: (45)2101-1155 | TIM (45)99911-0095 | VIVO (45)99155-0155

< Ver todas as Doenças

Doutores responsáveis


Ambliopia

O que é Ambliopia ?

Também chamada de "olho vago" ou "olho preguiçoso", trata-se de uma disfunção que se caracteriza pela perda parcial ou completa da visão de um dos olhos (mais raramente os dois), sem que haja demonstração anterior de anomalia estrutural. É causada por uma deficiência no desenvolvimento do sistema visual, durante o período de maturação do sistema nervoso cental, processo que se completa entre 6 e 7 anos idade.

Sintomas

Por ocorrer com crianças, sua percepção é bastante dificultada pelo fato de elas não se queixarem da má visão (já estão acostumadas). Aliás, quando a ambliopia atinge só um dos olhos, esta não tem nenhuma limitação visual. Entretanto, é bom que pais e educadores fiquem atentos a algumas manias no momento em que observam um objeto, tais como torcer a cabeça, piscadelas e diminuição do espaço entre as pálpebras. Também pode ocorrer, em alguns casos, vermelhidão nos olhos e visão dupla.

Tratamento

Existem quatro tipos de ambliopia: por estrabismo (desarmonia permanente entre os dois eixos visuais paralelos), ametropia (erros refracionais menos graves), anisometropia (erros refracionais mais graves, os quais levam o olho afetado à cegueira total) e privação (impedimento da chegada de luz à retina, causada por leucoma corneano, catarata congênita, ptose palpebral, opacidades vítreas, hifema, dentre outros motivos). A partir da detecção da causa, é possível realizar o tratamento. Entre os principais, estão os óculos (prescritos para melhorar a focalização ou desalinhamento dos olhos) e cirurgia (pode ser executada nos músculos dos olhos para endireitá-los se os tratamentos não cirúrgicos não forem bem sucedidos). Além de corrigir a causa, é preciso fortalecer o olho "fraco" e isso é feito por meio de medicamentos e venda sobre o olho "bom", de forma que o olho com mais dificuldades para enxergar seja obrigado a trabalhar.

Prevenção

Não existe uma forma de evitar o aparecimento da doença, mas é possível evitar que esta ocasione prejuízos maiores à visão da criança. Por isso, é importante levá-la ao oftalmologista assim que perceber alguma anomalia, como estrabismo ou erros de refração.